Anuário  
   
Fratura de rádio distal esquerdo
03/01/2012
 
Paciente feminina, 64 anos, sofrera queda da própria altura, tendo como consequência fratura de rádio distal esquerdo.

As manobras para redução fechada e tratamento com imobilização gessada não obtiveram o resultado necessário para sua completa recuperação. Trata‐se de uma fratura instável, com grande componente de cisalhamento.

A paciente passou por intervenção cirúrgica para redução e estabilização dos fragmentos da fratura. Esse é o aspecto da radiografia no pós‐operatório recente.

Após dois meses de tratamento, submetida a fisioterapia precoce, mobilização ativa e passiva da articulação, imobilização com órtese (tala removível), exibe essas imagens no retorno.

Nesse momento onde normalmente é interrompida a imobilização do tratamento não cirúrgico e inicia‐se o tratamento com fisioterapia, a paciente já apresentava arco de movimento, força muscular e coordenação motora praticamente normais, restando obviamente ganhos finais nas propriedades fisiológicas do antebraço.
 
 
Dr. Ricardo Augustus Barone // Todos os Direitos Reservados crédito: Grande Ideia