Imprensa  
   
Fraturas Expostas
30/10/2012
 
A fratura exposta é aquela que apresenta um ferimento de pele (perfuração, corte, perda de pele) que possa estar comunicando com a fratura. Algumas vezes o osso perfura a pele, em outras a comunicação não é tão óbvia. Para efeito médico toda fratura deve  ser considerada exposta quando existir um ferimento de pele num membro com fratura.

A ocorrência dos traumas expostos se deve a diversos mecanismos, desde tempos antigos, nas guerras, quedas de altura, acidentes com animais, armas brancas, armas de fogo, esportes, veículos de transporte, maquinaria industrial, ferramentas podem causar uma fratura relacionada a uma lesão de pele extensa ou aparentemente inocente.

O primeiro atendimento (primeiros socorros) deve ser de contenção de danos. Sempre que possível a limpeza do ferimento deverá ser realizada com soro fisiológico estéril e coberto com gazes ou curativos estéreis. A limpeza da ferida com substancias de assepsia (clorexidine e outras) pode ser realizada, até mesmo com água. Fragmentos de corpos estranhos poderão ser retirados com cuidado, desde que não estejam penetrando os tecidos, pois a remoção de facas e lanças, etc. pode causar sangramento, se estiver pressionando grandes vasos.Na extrema necessidade de improviso, devemos levar em conta que um curativo improvisado, como lenço, tecido, vestimenta, toalha, que utilizaremos para fazer a cobertura deverá estar mais limpo que a lesão. A imobilização é sempre indispensável para minimizar os danos adicionais ao membro, oriundos do transporte da vítima. Para tal podemos fazer uso de revistas, tábuas, e qualquer instrumento limpo que sirva de apoio ao membro. A imobilização do membro pode ser feita após manipulação e um alinhamento suave, mas em casos de duvida é recomendado fazer a imobilização na posição que seja possível.

Nos casos de sangramento profuso, realizar a compressão da ferida para estancar a hemorragia.

Deverão ser evitadas tentativas de manipulação dos fragmento ósseos, redução da deformidade e outros procedimentos especializados, pelo risco de dano não intencional, piorando a gravidade da lesão. As bordas ósseas podem ser aafiadas e adicionar lesão a nervos, artérias e veias.

Devemos ter em mente que as medidas heróicas citadas  devem ser adotadas quando houver impossibilidade de acionar o resgate treinado, em tempo hábil, e o tempo de espera para o socorro seja excessivo.

Todas as fraturas expostas serão submetidas a tratamento cirúrgico de urgência, assim que possível. A limpeza será no centro cirúrgico, com material estéril e submetidos à estabilização.
Os pacientes devem iniciar jejum para a cirurgia, de alimentos sólidos e de bebidas.
 
Texto do Dr. Ricardo Augustus Barone – Médico especialista em Ortopedia e Traumatologia, formado pela Escola Paulista de Medicina. Faz parte do Corpo Clínico do Hospital Nove de Julho, de São Paulo.
 
 
Dr. Ricardo Augustus Barone // Todos os Direitos Reservados crédito: Grande Ideia